[1]
G. Mendes, O PODER DISCRICIONÁRIO E A SUBJETIVIDADE DO GESTOR PÚBLICO: Breve análise a partir da dignidade da pessoa humana e do interesse público, esmam, vol. 12, nº 14, p. 242 - 256, mar. 2019.